PROCURO
Dentistas
> Pesquisar


PROCURO
Farmácia
> Pesquisar


Tudo sobre os problemas mais comuns

“Muito riso, pouco siso”

Os dentes do siso, que devem o seu nome ao facto de nascerem já na idade adulta, são o terceiro e último conjunto de molares que, na maior partes das pessoas, surgem por volta dos vinte anos. Muitas vezes, estes dentes podem ser uma vantagem para a boca sã (quando nascem alinhados e saudáveis e equilibram o espaço no maxilar e mandíbula) mas, frequentemente, nascem desalinhados e têm de ser removidos.

Os dentes do siso devem ser sempre retirados?

Quando os dentes do siso estão desalinhados, podem posicionar-se horizontalmente, muito juntos ou afastados dos segundos molares, ou ainda alinhados para o interior ou exterior. Este alinhamento incorrecto pode danificar os dentes adjacentes, a mandíbula ou o maxilar, e até terminações nervosas.

Por vezes, os dentes do siso podem romper apenas parcialmente a gengiva. Esta pequena erupção permite uma entrada facilitada às bactérias, que vão provocar uma infecção à volta do dente que causará dor, inchaço, rigidez da mandíbula e mal-estar geral. Como se sente dor ao toque, nestas condições os dentes do siso estão também mais propensos às cáries dentárias e à gengivite, por dificultarem a escovagem e a passagem do fio dentário.

Em suma (e tendo em conta que cada indivíduo é único na forma como os dentes do siso se desenvolvem), os dentes do siso devem ser retirados quando há evidências de:

  • Dor
  • Infecção ou lesões nos dentes adjacentes
  • Quistos ou gengivite
  • Cáries (quando não é possível restaurar o dente)
  • Tumores

Por vezes, a remoção pode ser apenas devida a um tratamento de ortodontia (restaurador ou periodontal) complementar.

Como saber se os dentes do siso estão a nascer?

Pergunte ao seu dentista sobre a posição dos seus dentes do siso. Ele poderá fazer-lhe periodicamente um raio X para averiguar a posição dos mesmos, ou enviá-lo a uma consulta de cirurgia dentária para uma avaliação mais rigorosa.

O dentista poderá recomendar a extracção dos dentes mesmo antes do aparecimento de problemas, como forma de evitar a possível e mais complexa extracção tardia: a remoção é mais fácil em pessoas mais novas, pois as raízes dos dentes do siso não estão totalmente desenvolvidas e o osso é menos denso.

Como são removidos os dentes do siso?

A facilidade com que os dentes do siso podem ser retirados (pelo dentista ou cirurgião oral) depende da posição ocupada pelos mesmos e do seu estádio de desenvolvimento. O seu higienista oral pode dar-lhe uma ideia do que esperar durante o exame de pré-extracção que é efectuado.

Um dente do siso que tenha rompido totalmente a gengiva pode ser extraído tão facilmente como outro dente qualquer. Um dente que não tenha irrompido totalmente, e que esteja ainda dentro da mandíbula, terá de ser removido fazendo uma incisão nas gengivas. Como o procedimento requer a remoção de uma porção de osso, muitas vezes um tipo de dente do siso nestas condições não é removido de uma vez só.

Antes do dente do siso ser retirado, o dente e o tecido envolvente serão alvo de uma anestesia local (em alguns casos, um sedativo poderá também ser necessário para combater a ansiedade do doente). Faça-se acompanhar por alguém que o ajude a chegar a casa com segurança após a intervenção, pois o efeito sedativo irá demorar algum tempo a passar (especialmente se se deslocar num veículo motorizado até ao local da intervenção).

Os dentes do siso ao longo do tempo

Com a idade, a boca sofre inúmeras alterações. Quando não há necessidade de remoção, os dentes do siso devem continuar a ser monitorizados, pois a possibilidade de se desenvolverem problemas posteriores continuará sempre a existir (isto acontece em praticamente todas as condições de doença – a idade pode agravar a severidade de muitos estados clínicos quando não monitorizados). Visitas regulares ao seu dentista serão fundamentais para a manutenção correcta dos dentes do siso, bem como para a manutenção de uma correcta saúde oral.